domingo, 14 de junho de 2009

Álvaro Cunhal


O Álvaro Cunhal faleceu a 13 de Junho de 2005, fez ontem 4 anos.
Lembro-me que no dia do seu funeral, dois dias depois, fiz 600 e tal Km para poder ir dizer-lhe um último adeus. Estava lá muita gente. Acho que eram mais ou menos 250 mil pessoas.
Eu nunca conheci Álvaro Cunhal. E muitas das pessoas que lá estavam também não.
...
Agora podia ficar aqui a escrever inúmeras coisas que me atravessam o espírito enquanto escrevo este post. Posso mesmo dizer que já escrevi e apaguei várias frases, mas isso acontece porque, se calhar, eu não quero nem preciso dizer mais nada. Só um "obrigado", e um "até sempre".
Só mais uma coisa:
Eu nunca conheci Álvaro Cunhal.. Mas o seu exemplo é tão grandioso que é por isso que na minha identificação, neste blogue, menciono que me recuso a ter um papel passivo nesta sociedade. É que... depois de sermos tocados pelo exemplo de Álvaro Cunhal nunca mais podemos ser indiferentes, conformados, preguiçosos, comodistas.
Só podemos ter força e vontade de lutar por uma sociedade mais justa, mais fraterna, mais solidária, sem exploração de um homem por outro homem.
E quando nos faltam as forças, devemos pensar que outros - o Álvaro, por exemplo - sofreram muito mais. Ele esteve treze anos preso, oito dos quais em total isolamento. E saiu de lá não com raiva, mas com coragem para continuar a lutar. Lúcido. Firme.
...
Eu não conheci o Álvaro Cunhal mas tenho por ele uma grande admiração.
Continuaremos a sua LUTA.

13 comentários:

linhadovouga disse...

É isso. Com um exemplo com o do Álvaro não podemos deixar de ser exigentes connosco próprios, sabendo o nível de dignidade e de grandeza humana que se pode atingir. Se ele o atingiu, nós temos obrigação de, pelo menos, tentar chegar lá perto. Menos que isso é uma vergonha.

Mas, sabes? Felizmente que temos outros exemplos de que essas dignidade e coragem não são sobrenaturais, dignas de génios sem exemplo. muitos gostariam que assim fosse. Mas não é, e vamos vendo outros exemplos. Alguns até vão passando pelo teu blog...

Maria disse...

O comentário acima fez-me sorrir... estou de acordo, pois claro.
Bendita seja a hora em que foste "tocada" pelo exemplo do Álvaro. E com certeza de outros camaradas já desaparecidos, ou não...

Beijinho, Sal

Nunes disse...

Junto envio um pequeno extracto de uma entrevista feita a Álvaro Cunhal, retirado da revista "Expresso", publicada em 11de Março de 2000:

O comunismo existirá depois de Fidel Castro?

Não há comunismo em Cuba... Há sim uma sociedade visando a construção do socialismo, o que é muito diferente. O comunismo diz mais respeito à posição ideológica dos partidos comunistas, objectivo último que ultrapassa as fases transitórias mais diversas, como as experiências – boas ou más – que se realizaram e já tiveram lugar... Cuba merece solidariedade... E é um absurdo dizer-se que se está contra Cuba porque lá não há liberdades democráticas e existe um só partido.

Como se chama, então, o regime político de Cuba?

Não há nome político para o caracterizar. É um regime político em que os dirigentes têm um tão grande apoio popular que resistem às mais diversas ofensivas militares ou aos crúeis bloqueios económicos. Considero-o um regime democrático na sua essência e nesse tão grande apoio popular.

O que é o comunismo?

Comunismo é uma etapa ulterior e superior do socialismo.

Acha que ainda ninguém atingiu o «comunismo»?

O comunismo, ninguém. Sociedades socialistas nos seus fundamentos, sim. Algumas são experiências riquíssimas, outras têm caminhos complicados... E alguns tão complicados que levaram até à derrota desses países.

CRN disse...

Sal,

Hoje, e desde tempos remotos, quando militava na JCP, sei identificar um abraço comunista, aprendi-o com o Alvaro. Curiosamente como Soeiro, na Costa da Caparica.
Não sou por tal nem mais nem menos válido, mas, e esse é um privilégio de classe, sei que só na luta poderemos realizar o sonho.

A revolução é hoje!

amigona avó e a neta princesa disse...

Eu tive o previlégio de estar, várias vezes, com o Álvaro...hoje ainda lembro bem como o seu olhar era profundo e nos tocva de uma maneira muito intensa!
SAIBAMOS CONTINUAR A LUTA E ESTAMOS A SER MERECEDORES DE UMA VIDA EXEMPLAR E DE ALGUÉM QUE NOS ENSINOU QUE ESSE É O CAMINHO!

Beijos...

samuel disse...

Bonito!

Lúcia disse...

Conheci-o. Numa conferência na UBI no meu 3º ano. Anfiteatro a abarrotar - gente das janelas, portas abertas... e um enorme silêncio para o ouvir!

Abraço grande Sal

Fernando Samuel disse...

Vamos, então, ler, estudar, discutir, a Obra do Álvaro - e procurar seguir o seu exemplo de dignidade e coragem.

Um beijo.

GR disse...

Quase esqueço esse dia, não o quero recordar.
(Só morre quem é esquecido)
Porque sei tão pouco, necessito sempre de ler os seus livros, análises e intervenções (recorro à net, Avante! e Militante). O nosso camarada Álvaro ensina-me(nos) muito. Contudo, no nosso grande Partido temos não só o seu grandioso exemplo de vida, mas também (como diz o “linha do Vouga”) muito outros exemplos de coragem e dignidade.
Somos um Grande Partido!

GR

carmen disse...

Apesar das ruínas e da morte
Onde sempre acabou cada ilusão
A força dos meus sonhos é tão forte
Que de tudo renasce a exaltação
E nunca as minhas mãos estão vazias
Sophia de Mello Breyner

Sal,
Prazer em te conhecer,muito!
Gostei imenso do seu blog.
Se quiseres visitar-me, gostarei muito:
www.desejoselugares.blogspot.com
abraços baianos
Carmen

Antuã disse...

ele era apenas uma pessoa, mas era uma pessoa mesmo.

pedras contra canhões disse...

seguiremos o exemplo, seguramente!

Alfredo Poeiras disse...

Vim dar uma volta pelo teu blog, depois de ler o teu comentário, sobre a Marinha Grande terra de luta, tens um blog optimo.
Somos de gerações diferentes, eu comecei a ouvir de Alvaro Cunhal no tempo do Fascismo, a primeira vez que o vi foi no comicio do 18 de janeiro de 1975, a sua postura , determinação, firmeza era fora do vulgar.
Tive nos anos posteriores o previlegio de com ele contactar regularmente, tudo aquilo que dele se possa dizer é sempre pouco.
Para mim , ficará acima de tudo o seu exemplo.
Até sempre camaradinha Alvaro Cunhal.
(camaradinha era a forma carinhosa com que ele tratava o pessoal da juventude).
Tudo de bom para ti camaradinha
Alfredo Poeiras