sexta-feira, 26 de junho de 2009

Ensino Artístico - Vamos lá mexer no que podemos enquanto somos maioria

Hoje (25 de Junho) saiu uma nova regulamentação para o Ensino Artístico.
A nova portaria 691/2009 encontra-se AQUI, em formato pdf, mesmo no final do texto panfletário que o ME divulga, dizendo maravilhas sobre si próprios, e como são bonzinhos, e como agora é que é, que vão existir cursos de música e dança em todo o lado, e que com esta medida o ensino especializado de música e dança vai estar mais acessível, blá, blá...
Para quem está no terreno e conhece em profundidade os problemas que existem neste momento, e que por serem tantos nem sequer consigo fazer aqui um resumo rápido, sabemos perfeitamente estar perante mais uma "operação de marketing" deste Governo, e deste ME. Dentro em breve vão ouvir a ministra Maria de Lurdes Rodrigues falar com aquele seu ar grave e sério sobre a ampliação do número de alunos a estudar neste tipo de ensino, e o sucesso das medidas do seu executivo. O que tem de ser revelado é que a aplicação das novas normas de acesso de alunos ao EAE falhou em toda a linha, tendo acentuado ainda mais a necessidade de uma rede de escolas públicas de Ensino Artístico Especializado, que é inexistente, tendo sido as escolas particulares - e umas mais que outras - a beneficiar com este pseudo-alargamento a novos alunos.
Não se iludam quando ouvirem a ministra. Perguntem-lhe, antes, como vai fazer um pai de uma criança de Penedono, ou de Cinfães, ou de Pinhel, ou de Torre de Moncorvo, ou de Freixo de Espada à Cinta para conseguir colocar o seu filho a estudar numa "escola de referência" (designação para as escolas de ensino regular com as quais os conservatórios e academias estabelecem protocolos), a fim de usufruir do regime articulado, (logo, gratuito), quando residem fora da área onde existem estas escolas - e as distâncias podem ser extensas (40km, 60km, por exemplo)... Que pai deixa um filho com 10 anos ir viver para fora de casa para prosseguir os estudos? Perguntem à ministra, se tiverem a infelicidade de se cruzar com ela, como é que os alunos vão adquirir os instrumentos musicais, se não tem dinheiro para sobreviver? Perguntem-lhe porque é que não foi criada uma verdadeira rede de escolas públicas de EAE... Perguntem-lhe em que escolas do EAE pode um aluno de Beja ir aprender Dança...
Pergunto-me que universidade privada ou empresa terá já um lugar reservado para Maria de Lurdes Rodrigues após a dissolução deste governo....

2 comentários:

Lúcia disse...

Só se pergunta qdº desconfiamos que há uma reposta. Essas que fazes... parece-me que não deve haver. É um regime de exclusão e discriminação.

beijocas

Fernando Samuel disse...

Mais rentável do que ser ministro é ser ex-ministro...

Um beijo.