segunda-feira, 23 de março de 2009

Post'irónico...


Enviaram-me esta notícia do Jornal de Negócios:

Crise profunda no "motor" europeu adia cenário de retoma (23-03-2009 9:32:00)
A cena parecia retirada daqueles filmes truncados, em que a primeira tentação é pedir: "Importa-se de repetir?". Mas não. Era o que parecia. Munique. Um frio de rachar. Uma dezena de engenheiros alemães a prescindirem da hora do almoço. Para empunhar cartazes a pedir o auxílio das autoridades portuguesas.

Para que convençam o Governo alemão a salvar a empresa que lhes dá trabalho. Empresa, por sinal, alemã. Trabalhadores da Qimonda à espera de um sinal de esperança, aquando da recente visita de Cavaco Silva. A esperança de que o empenho de um pequeno país na salvação de uma filial da Qimonda possa significar a salvação da própria empresa-mãe.

in Jornal de Negócios


É a crise, burro. :))) Nós, cá na Tugolândia é que estamos habituados a ser todos doutoures e engenheiros, e a profissão de "trolha" nem sequer vem nas páginas amarelas. Tudo gente importante. Lá íamos empunhar cartazes c'um frio de rachar.. Que isso das manifs e das lutas é lá p'rós professorezecos, funcionários públicos que não fazem nenhum, comunistas e outros desempregados...

5 comentários:

Maria disse...

... e para os reformados que "vão a todas"...

:))

Lúcia disse...

Minhas, as tuas palavras a negrito e em maiúsculas!
beijocas

Antuã disse...

Eram engenheiros ordenados ou não? É que se não forem ordenados não podem dizer missa.

samuel disse...

Em cheio!

duarte disse...

EHEHE...
Estes alemãs são doidos!
A sorte é que ainda só são cartazes...quando passarem a ser paralelos, é que a coisa vai azedar.
Será que aqui na rua Sesamo, os marretas cá da terra se resolverão a dizer: sim estamos em crise, e vamos dar TODOS as mãos para a resolver.
Eu cá acho que não hà outra solução possível a médio termo.
abraço do vale