sexta-feira, 24 de julho de 2009

Foi longo o caminho


Hoje tive duas surpresas. Vá. Uma surpresa boa e uma má.
Qual querem que conte primeiro? A boa? Então lá vai.
Estava eu a lêr um jornal que sai às quintas-feiras que dá pelo nome de Avante!, e que é o único que em Portugal dá notícias verdadeiras sobre a luta dos trabalhadores, e sobre a acção do único partido político que os defende, o PCP, quando reparei num suplemento sobre os artistas que irão tocar à Festa do Avante!, no primeiro fim de semana de Setembro (dias 4, 5 e 6).
Sei de antemão ser este um dos melhores eventos culturais organizados neste país, único na forma e no conteúdo, que faz as delícias de militantes comunistas, simpatizantes, independentes, apartidários, jovens e velhos, homens, mulheres e crianças, e que durante três dias se vive algo único, que só quem lá vai é que entende que tem de lá voltar sem falta no ano seguinte.
Verifiquei, com agrado, que este ano irá actuar na Festa um cantor de intervenção português, daqueles que, à semelhança de um Zeca Afonso ou de um Adriano Correia de Oliveira, marcaram com a sua voz a luta contra o fascismo, e a certeza de uma liberdade que estava para vir. Verifiquei que o Samuel cantará na Festa, na nossa Festa... O nosso Samuel cantará para nós na nossa Festa. E isso foi um virar de página!
Foi longo o caminho que demoraram a percorrer os camaradas responsáveis pela selecção de artistas para a Festa. Congratulo-me pela descoberta que fizeram: o Samuel não estava morto, antes continuou a bater-se por ideais difíceis de conjugar com interesses de editoras discográficas!
E não só é importante ouvi-lo, como repudiarmos a pressão das editoras por promover este ou aquele artista, todos menos os comunistas - porque também nessa linha se faz a dominação ideológica.
E esta foi a surpresa boa.

A má... Bem, a má... A Teresa Salgueiro também vai cantar à Festa...
Alguns dirão "pois, pois, gostos não se discutem..."
Eu direi, antes: Não! Discutem-se como qualquer outro tema, pois a formatação do gosto está nas mãos de quem tem o poder. E quem tem o poder - as classes dominantes - também formatam de forma a tornar as pessoas acríticas, confundindo, apresentando-lhes "produtos" culturais desprovidos daquela pequena partícula que os faz pensar por si próprios.
Em suma, a meu ver, a cultura musical ainda é uma das áreas mais delicadas na formação de um homem emancipado e progressista.
Por isso é possível que pessoas com grandes qualidades ao nível do pensamento façam escolhas tão impróprias, como gostar da Teresa Salgueiro.
A Teresa Salgueiro não canta, mia. E mia como um gato sem graça, daqueles que ouvimos ao longe e que nos incomodam, que nos perturbam o café, a paisagem, os ouvidos...
É, para mim, mais um "produto" discográfico que faz ruído.

Fico-me pela felicidade de pensar que a Festa é bem mais que a Teresa, (desculpem, agora é com "z": Tereza) e que posso simplesmente não a ir vêr nem ouvir, e que as más opções - poucas - dos programadores podem sempre transformar-se. Disso é exemplo o convite, este ano, ao Samuel, e longo foi o caminho, repito-o, até perceberem a importância dele na Festa. Pelo seu exemplo de resistência.
Na nossa Festa do Avante!.

13 comentários:

linhadovouga disse...

Felizmente que a Festa tem espaço e alternativas de sobra para não termos de gramar com os miados...

Justine disse...

Vamos todos estar lá para o ouvir, certo?

Emanuel Gandaio disse...

Por várias vezes tive que gramar hip-hop em eventos da JCP, sei como te sentes...

GR disse...

O Samuel deu-nos duas grandes alegrias que, muito nos orgulha.
Ser candidato e ir à F.A..
Para muitos camaradas é um velho desejo, este ano concretizado. Quantos de nós, questionou a falta do Samuel nos palcos da Festa, assim como de tantos outros, sobretudo na área da música clássica.
Estou a pensar seriamente em oferecer um Boletim Informativo Cultural, aos camaradinhas que fazem a selecção dos artistas para Festa!
Quanto à Teresa Salgueiro…gosto do miar dos gatos, se atrás do miar tiver outros gatos…atiro logo o pau ao gato!

Um grande bj,

GR

JUNQUEIRAS disse...

Até que enfim encontro uma pessoa com a minha opinião, eu digo que ele geme................

Nocturna disse...

Que ninguém falte a ouvir o "nosso" Samuel.
De vez em quando há na nossa FESTA, ausências inexplicáveis. Estou a lembrar-me da quantidade de anos que estivemos sem ouvir «ao vivo» a Luisa Basto. Felizmente nos últimos anos já se lembraram dela.
E no caso da "dos miados", vamos beber um copos, que por lá nãos nos falta bons sítios.
Um fraternal abraço
Nocturna

Maria disse...

Caramba, ia jurar que tinha comentado este post...

Vai ser lindo sim! Já a partir de amanhã!!!!

Samuel, claro que vou ouvir (pode ser que ele traga umas migas, hehehe)

Ah, a também te vou ver a ti. E à família toda!

Beijos

Anónimo disse...

Ouvirei com grande prazer o "nosso" Samuel: Pela música, pela coerência e pelo percurso de vida...
Mas respeitarei todos aqueles que também se revêem (e são mesmo muito(a)s)na VOZ, na melodia, no canto de Teresa Salgueiro.
E a Festa do Avante, felizmente, é também isto: um encontro plural de gostos.
Bjs

BOGA E AXIGÃ disse...

Um forte aplauso a 4 mãos. Brilhante o texto, pela coragem de se dizer um bom par de verdades.

Lúcia disse...

Bom texto, sal!:) Fez-me rir, como calculas.
Óptimo ter lá o Samuel que é dono de uma voz rara.
Qtª à Tereza - quem sou eu, leiga, leiga, para desmentir-te?:)
Beijocas

duarte disse...

eu só vejo o que me motiva , tal como oiço tudo que me estimula. o resto se puder evitar, evito.
se tudo correr bem lá estaremos.
abraço do vale em plena colheita.

Hilário disse...

Espero de lá estar para ouvir essas belas duas vozes.
Um Abraço

Anónimo disse...

Desculpa lá, mas eu vou ao Avante ouvir com todo o gosto a Tereza Salgueiro, grande cantora.