quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Amostra sem valor


Eu sei que o meu desespero não interessa a ninguém.

Cada um tem o seu, pessoal e intransmissível:
com ele se entretém
e se julga intangível.

Eu sei que a Humanidade é mais gente do que eu,
sei que o Mundo é maior do que o bairro onde habito,
que o respirar de um só, mesmo que seja o meu,
não pesa num total que tende para infinito.

Eu sei que as dimensões impiedosos da Vida
ignoram todo o homem, dissolvem-no, e, contudo,
nesta insignificância, gratuita e desvalida,
Universo sou eu, com nebulosas e tudo.


Amostra sem valor
António Gedeão

6 comentários:

Lúcia disse...

Amostra com Valor Acrescentado.
São as gotas de água que fazem o oceano. Quanto mais puras forem... mais benéfico para o ambiente;)
Beijinhos, Sal

Lúcia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Júlia Rocha disse...

Querida Sal, obrigada por esta amostra de António Gedeão. Fizeste-me lembrar qualquer coisa. Que como ser humano me sinto impotente para lidar com esta teia que se tece nas nossas vidas, falo de toda a engrenagem política, da maneira como as coisas são conduzidas, como nos são apresentadas e condicionam os actos mais quotidianos. O não saber deixa-me de mãos atadas. Querida Sal, às vezes não sei o que fazer com estes pensamentos que tenho. Além disso o dia está cinzento e chove. Ainda assim, fizeste-me sorrir.

samuel disse...

Gedeão em grande forma...

Abreijos.

GR disse...

Depois deste teu interregno (de grande trabalho), chegas muito bem acompanhada.
Nós aqui ainda não terminamos!

Um grande Bj,

GR

Fernando Samuel disse...

«Com nebulosas e tudo» - exactamente!

Um beijo.