sábado, 29 de março de 2008

Sem-Terra



Fotografia de Luis Vasconcelos, do jornal A Crítica (Brasil)

A imagem mostra uma mulher descendente de índios, segurando seu filho nos braços, que tenta resistir a uma barreira da polícia de choque, durante uma operação de retoma de terras nos arredores de Manaus, no Brasil, há duas semanas atrás, na terça-feira, dia 11 de Março.

Os Sem-Terra que ocupavam aquela área tentaram, em vão, evitar o despejo, usando pedras, pedaços de madeira e flechas. Mas a polícia conseguiu expulsá-los à custa de muita violência, gás lacrimogéneo e uma ajudinha de cães treinados.



Porquê?
Que mundo é este, afinal?

9 comentários:

GR disse...

A Mulher na Luta!
Esta foto é bem demonstrativa que Lula esqueceu, os SEM TERRA!

GR

Fernando Samuel disse...

E no entanto, ela (a Terra) move-se: da mesma forma que Galileu só aparentemente é que foi vencido pelo «pensamento único» do seu tempo, também esta Mulher só aparentemente é que foi vencida pela força bruta e pela violência de classe deste tempo. Porque, quer eles queiram quer não, nós queremos: a terra será de quem a trabalha.

samuel disse...

Por enquanto é o mundo dos que "têm terra".

Au loin disse...

Adorava ter as palavras certas ou a resposta q procuras, mas n tenho.

Quanto mais avançamos na vida, mais estas imagens nos fazem pensar..né linda?!

Deixa-me contar-te algo:
(vai ao encontro da miseria humana)

Ultimamente, alguem me mostrou no pc, o caminho q percorreu pra chegar aqui , onde estou...
veio do kosovo...é da idd da I. colega de escola.
...e quando o coraçao lhe suspira,
ele la conta aquela amargura toda q viveu ou viveram (ele + 2 irmaozinhos e a mae) e (ainda) vivem ...pois a situaçao nao é estavel... e eu fico para ali a pensar no pk de tanto sofrimento?!
=/

Sal disse...

gr:
em jeito de resposta ao post anterior, alguém que conheces já me ofereceu o livro do SR, mas agradeço a lembrança.
Esta mulher tem algo parecido contigo: uma imensa coragem, uma imensa força de vontade.

fernando samuel:
será de quem a trabalha, e é por isso que todos nós continuamos a lutar. Pela justiça, por um mundo sem homens que exploram outros homens.

samuel:
por enquanto, dizes bem. (mas cantas melhor!)Bom concerto


Au loin:
Com a intervenção dos americanos, o Kosovo passou por tudo o que nós sabemos. E quem sofreu com isso? Os mais fracos, uma vez mais.
Mas, sabes, até pode ser que a experiência de conhecer alguém que tenha sofrido (e ainda sofre) dessa maneira, possa contribuir para que a I. se torne (ainda) mais sensível e atenta ao mundo que a rodeia.


beijinhos a todos,
bom fim-de-semana

GR disse...

Sal,

É a nossa Vontade!
No dia 12 dou-te um bj, em Peniche.
Este Cravo de Abril, com um só ano tem mais de Mil Amigos!

GR

diacono dos remedios disse...

Sim, a imagem é triste, como é triste todo o sofrimento humano às mãos das tiranias.

Falas aí no comentários de sofrimento, etc...

Muito bem!

Mas é curioso que num outro blog tenhas vindo defender o regime chines com justificações históricas... Os tibetanos não são pessoas de carne e osso. Estes são filhos de "Deus" e os tibetanos são filhos da pu...?

Para os tibetanos que morrem e são espancados, privados da sua liberdade já não há lagriminhas?

Santa hipocrisia! Só merecem compaixão e apoio aqueles que lutam por uma certa ideologia politica? Aprende a ser de esquerda, pois pareces mais as "mulas de carga" que costumam servir de base a ideologias tirânicas!

"Porquê?
Que mundo é este, afinal?"

Mide disse...

Sal, deixa-me responder a este diácono:
Para quem, de forma tão feia, insulta a autora deste blog pela comparação com um animal, devo dizer-lhe que o senhor é a encarnação de um animal bem mais estúpido que a mula: o papagaio.
Para começar, papagueia uma série de termos em contextos que a indústria cultural do imperialismo norte-americano e suas filiais tanto apreciam, como: a)"regime" quando se refere a qualquer governo socialista ou aparentado (chinês, cubano, venezuelano, etc.), mas não para qualquer outro país (como se não existisse); nem mesmo para as tenebrosas ditaduras que aquele imperialismo apoia e que, para si, terão seguramente reis, presidentes e governos, mas não "regimes" b) "ideologia" para referir socialismo ou comunismo (mas não para "neo-liberalismo", "capitalismo", "fascismo", "cavaco-socretinismo", etc.).
Depois, há duas ou três coisas que convém que saiba antes de desatar ao insulto:
- Não existem "chineses" e "tibetanos". Os tibetanos são chineses desde o séc. XIII. São os tibetanos e mais 55 nacionalidades que compoem aquilo a que, vulgarmente, se chama "os chineses"
- Os tibetanos são pessoas, efectivamente; são seres humanos. São-no AGORA, desde 1959. Até 1959 vigorava no território do Tibete, sob o domínio do Dalai Lama um regime (isso mesmo, um regime) feudal (pode sempre informar-se alhures sobre o conceito de feudalismo). Neste regime feudal 95% dos tibetanos não eram, legalmente, pessoas de pleno direito: eram escravos (espero que saiba o que é). A sua existência destinava-se, unicamente, a servir e a alimentar os senhores feudais - nobres e monges tibetanos, que castigavam e exploravam os escravos sem dó nem piedade. Sob o domínio, repito, do Dalai Lama que o senhor considera, com toda a certeza, um santíssimo líder espiritual pobre e modesto.
- Só em 1959 esses 95% de tibetanos foram libertados da escravidão e ganharam estatuto de pessoa humana. Entretanto, a sua qualidade de vida aumentou e é hoje melhor que nunca. A esperança média de vida, p. ex. aumentou para quase o dobro em menos de 50 anos. A língua e a cultura tibetanas são ensinadas oficialmente e a liberdade de culto religioso uma realidade.
- Obviamente, não agradou à minoria que perdeu os seus privilégios feudais essa mudança. Os governos norte-americanos e algumas das suas sucursais (também chamados de "comunidade internacional"), sempre dispostos a atacar por todos os meios as tentativas de construção do socialismo que foram surgindo, logo trataram de aproveitar esse descontentamento. Com os devidos meios, uma formiga pode ser retratada com uma dimensão gigantesca. Assim é com "a resistência tibetana no exílio". Esta nova investida consistiu na provocação de um motim, que a partir de determinado momento se tornou incontrolável. A tentativa tardia de controlar os tumultos proocou vítimas, é certo. Nada de comparável aos "danos colaterias" que o império americano vem semeando no Iraque de há cinco anos para cá. O alvo desta investida do império americano é, naturalmente, os Jogos Olímpicos de Pequim. Tal como foram, em 1980, os de Moscovo.
Convém também que saiba: O partido que é o meu, o da Sal e o de muitos frequentadores deste blog nunca foi maoista, e nunca apontou o modelo chinês como modelo a seguir. Ao contrário de muitos dos "modernos" anti-chineses de serviço...
- A "ideologia política" por que lutam os sem terra é a da sobrevivência, é a da luta pelos meios mais elementares de sobrevivência. Diz-lhe alguma coisa?

Espera que esteja mais esclarecido e que lamente ter insultado a Sal - uma pessoa, asseguro-lhe, autenticamente de esquerda e sem macaquinhos no sótão.
Se estiver, óptimo: estamos sempre a aprender.
Se não estiver, arranje umas penas e um bico e pinte-se de verde.

Antuã disse...

O diácono levou com Sermão e Missa Cantada!.. Vai aprender a catequese, meu, antes de dizeres montanhas de asneiras.