domingo, 10 de fevereiro de 2008

A flor que mora em nós



Eu ainda não era nascida quando se deu o 25 de Abril. Mas tenho saudades daquele dia.
Já vos aconteceu? Sentirem saudades de um dia que não viveram, ou de uma paisagem que não visitaram pessoalmente, ou de alguém com quem nunca falaram? Será "saudade" o termo? Não sei. Mas certamente há algo que influencia as minhas emoções por me lembrar deste dia. Porque talvez tenha sido o sonho de muitas das pessoas mais velhas que convivem comigo. Ou porque simplesmente há uma carga emocional muito forte associada a este dia. E as emoções são das coisas mais difíceis de ignorar, mesmo para mentes treinadas. Podem até existir sem que o seu "dono" se aperceba que as tem. É complexo o nosso cérebro.
É engraçado... Toda a gente tem um cérebro. Neste momento em que escrevo, e no momento em que tu lês este post estamos ambos a usar o cérebro. O que me leva a pensar:
Porque é que os portugueses não usam o cérebro mais vezes?! Porque é que não analisam as suas vidas, somam A mais B, e tiram conclusões?...
Mas hoje não quero ficar angustiada (outra vez) com esta questão retórica. Quero só beber o vermelho desta flor, sentir a sua força. Sentir a sua presença. E pensar que aquele dia lá longe também deu frutos, não deu só flores.

5 comentários:

Maria disse...

Ahhhhh, se todos os que nasceram depois do 25 de Abril sentissem o que to escreves neste post, outros cravos renasceriam, todos os dias.......
Mas eu ainda não desisti....

Beijo

Antuã disse...

Somos nós que fazemos o 25 de abril dia a dia. Façamo-lo por muito que nos custe a perseguição feita pelos lacaios do Capital.

Au loin disse...

Talvez me desvie do assunto, mas gostei da frase
"Sentirem saudades de um dia que não viveram,"
:-)
simmmmmmmmmmmmmmm
imagina se houvesse uma maquina do tempo!!
imagina como seria maravilhoso poder presenciar coisas lidas nos livros, um momento passado/ no presente,
na frente dos nossos olhos!!!
=))))

Sérgio Ribeiro disse...

"Mas eu ainda não desisti", ó ti maria?
Isso são coisas que se escrevam?!
E logo depois deste texto de alguém que nasceu depois de 1974 e tem saudades do 25 de Abril?!
Sabes, Sal, eu nasci precisamente no dia 25 de Abril de 1974? Só que foi pela segunda vez e gosto de contar o parto!
E vou contando...
Obrigado pelo teu texto

samuel disse...

Sal

E olha que "raça" de texto mais bonito!...
O 25 de Abril (também) foi feito para que pessoas como tu escrevessem, no futuro, textos como este.
Para mim, que tinha 22 anos e começado a cantar com o Zeca, pouco tempo antes, foi uma espécie de truque de magia. Practicamente no momento em que eu tinha acabado de "encher o peito" para gritar pela liberdade, ela aconteceu!
Ainda hoje mantenho a impressão de que o meu encher de peito ajudou um bocadinho...

Abreijo