terça-feira, 8 de abril de 2008

Sagração da Primavera

Porque estamos na Primavera.
Porque eu gosto de Stravinsky.


Quando este bailado estreou, em 1913, em Paris, o público reagiu muito mal. A crítica chamou-lhe "Le Massacre du Printemps" (O massacre da Pimavera), ironizando com o verdadeiro nome "Le Sacre du Printemps" (A Sagração da Primavera). Naquela época não era habitual ouvir-se música e ver-se bailado tão irreverentes, tão ousados. Até posso compreender o espanto. Mas hoje já não.
Muita coisa mudou no mundo da música, desde então. Mas ainda conheço músicos que não gostam de Stravinsky. Não compreendo porquê. E volto a afirmar o que já disse dezenas de vezes aos meus alunos: não fechem os ouvidos à música do século XX, e do século XXI.
Afinal, não tarda nada a "Sagração" está a fazer 100 anos...

Aqui fica uma não menos irreverente versão, com coreografia de Pina Baush.
Não fica atrás do Nijinsky. Pelo contrário...
Encarna na perfeição a personagem da jovem que dança até à morte, como sacrifício ao deus da Primavera.



4 comentários:

Maria disse...

Lindo bailado de Pina Baush.
Obrigada por esta sagração da primavera (que espero volte antes de sábado.. :))) )
Beijo

Anónimo disse...

Vi este bailado, coreografado por um inglês, na Gulbenkian interpretado pelo extinto Balet Gulbenkian, adorei!
Grato por esta oferta!
Bjo
José Manangão

Fernando Samuel disse...

Lindo, sal. Obrigado.
beijo amigo.

Mide disse...

Belíssimo. O desespero da rapariga sacrificada na dança final é dançado de forma arrebatadora. Comovente.