terça-feira, 1 de abril de 2008

Então é assim:


Há dias, no blogue "We have kaos in the Garden" deixei ficar um comentário, como tantas vezes faço (como faz qualquer uma das pessoas que frequenta a blogosfera), onde discordava da opinião do autor do blogue acerca da postura do Jerónimo de Sousa e do seu (meu) partido. No mesmo comentário aproveitei para responder a outro blogger acerca do Tibete e da China, assunto quente do momento, e que tem sido aproveitado por muita gente para usar de arma de arremesso contra o PCP.
Bem... nunca pensei que o meu comentário despoletasse uma onda de comentários, uns pró e outros contra o Tibete, a China, o PCP, o Jerónimo, o autor do blogue, etc, etc. Foi lamentável verificar que algumas pessoas tem muita dificuldade em debater civilizadamente certos assuntos, sem entrar no campo das ofensas. Quando li tudo aquilo ri-me por dentro. Portugal, ano 2008, e ainda há tanta gente com preconceitos em relação ao comunismo. Houve mesmo um indivíduo que resolveu deixar um comentário aqui no Mar sem Sal, no post sobre os Sem-Terra, onde, mais uma vez, derrapava para o anti-comunismo visceral.
Houve, entretanto, uma resposta dada pelo meu camarada Mide que tenho obrigatoriamente que publicar aqui, dada a riqueza de informação que nela contém. E ao Mide e a todos os lutadores pela dignidade humana, pela justiça e pela igualdade, o meu muito obrigada.

Mide disse...

Sal, deixa-me responder a este diácono:
Para quem, de forma tão feia, insulta a autora deste blog pela comparação com um animal, devo dizer-lhe que o senhor é a encarnação de um animal bem mais estúpido que a mula: o papagaio.
Para começar, papagueia uma série de termos em contextos que a indústria cultural do imperialismo norte-americano e suas filiais tanto apreciam, como: a)"regime" quando se refere a qualquer governo socialista ou aparentado (chinês, cubano, venezuelano, etc.), mas não para qualquer outro país (como se não existisse); nem mesmo para as tenebrosas ditaduras que aquele imperialismo apoia e que, para si, terão seguramente reis, presidentes e governos, mas não "regimes" b) "ideologia" para referir socialismo ou comunismo (mas não para "neo-liberalismo", "capitalismo", "fascismo", "cavaco-socretinismo", etc.).
Depois, há duas ou três coisas que convém que saiba antes de desatar ao insulto:
- Não existem "chineses" e "tibetanos". Os tibetanos são chineses desde o séc. XIII. São os tibetanos e mais 55 nacionalidades que compoem aquilo a que, vulgarmente, se chama "os chineses"
- Os tibetanos são pessoas, efectivamente; são seres humanos. São-no AGORA, desde 1959. Até 1959 vigorava no território do Tibete, sob o domínio do Dalai Lama um regime (isso mesmo, um regime) feudal (pode sempre informar-se alhures sobre o conceito de feudalismo). Neste regime feudal 95% dos tibetanos não eram, legalmente, pessoas de pleno direito: eram escravos (espero que saiba o que é). A sua existência destinava-se, unicamente, a servir e a alimentar os senhores feudais - nobres e monges tibetanos, que castigavam e exploravam os escravos sem dó nem piedade. Sob o domínio, repito, do Dalai Lama que o senhor considera, com toda a certeza, um santíssimo líder espiritual pobre e modesto.
- Só em 1959 esses 95% de tibetanos foram libertados da escravidão e ganharam estatuto de pessoa humana. Entretanto, a sua qualidade de vida aumentou e é hoje melhor que nunca. A esperança média de vida, p. ex. aumentou para quase o dobro em menos de 50 anos. A língua e a cultura tibetanas são ensinadas oficialmente e a liberdade de culto religioso uma realidade.
- Obviamente, não agradou à minoria que perdeu os seus privilégios feudais essa mudança. Os governos norte-americanos e algumas das suas sucursais (também chamados de "comunidade internacional"), sempre dispostos a atacar por todos os meios as tentativas de construção do socialismo que foram surgindo, logo trataram de aproveitar esse descontentamento. Com os devidos meios, uma formiga pode ser retratada com uma dimensão gigantesca. Assim é com "a resistência tibetana no exílio". Esta nova investida consistiu na provocação de um motim, que a partir de determinado momento se tornou incontrolável. A tentativa tardia de controlar os tumultos proocou vítimas, é certo. Nada de comparável aos "danos colaterias" que o império americano vem semeando no Iraque de há cinco anos para cá. O alvo desta investida do império americano é, naturalmente, os Jogos Olímpicos de Pequim. Tal como foram, em 1980, os de Moscovo.
Convém também que saiba: O partido que é o meu, o da Sal e o de muitos frequentadores deste blog nunca foi maoista, e nunca apontou o modelo chinês como modelo a seguir. Ao contrário de muitos dos "modernos" anti-chineses de serviço...
- A "ideologia política" por que lutam os sem terra é a da sobrevivência, é a da luta pelos meios mais elementares de sobrevivência. Diz-lhe alguma coisa?

Espera que esteja mais esclarecido e que lamente ter insultado a Sal - uma pessoa, asseguro-lhe, autenticamente de esquerda e sem macaquinhos no sótão.
Se estiver, óptimo: estamos sempre a aprender.
Se não estiver, arranje umas penas e um bico e pinte-se de verde.

8 comentários:

GR disse...

Na realidade há muitos comentadores que só se entendem com a provocação.
É pena, pois todos nós (pessoas normais) gostamos de partilhar ideias, rebate-las. Aprende-se convivendo!
Sal,
Permite-me dar os parabéns ao Mide.
Assim vale a pena. Com toda a calma, sabedoria, educação e “sem chavões”, ouvimos calmamente esta magnífica aula de História.

GR

Mide disse...

GR, obrigado! O que eu disse sobre o Tibete não tem nada de mais, é apenas uma síntese do que pode ser encontrado facilmente em blogs como o anónimo sec. XXI ou o Império Bárbaro ou no resistir.info, entre outras fontes.
Bjs

pedras contra canhões disse...

é por estas e por outras que nem sequer visito os sites de esquerdistas ou de iluminados críticos armados de ares de superioridade intelectual. digam-se eles de esquerda ou de direita.

samuel disse...

Sal

Nã ligues, mulher!

Mide
Bom texto

Pedras...
Deve-se ir ver, amigo. Moderadamente, mas deve-se saber o que dizem :)

Sal
Desculpa servir-me do teu blog como "escritório"...

Abreijo

Sérgio Ribeiro disse...

Vai um fulano ali e logo vem, e no regresso apanha cá com uma enxurrada!
Esta coisa dos blogs está verdadeiramente absorvente.
Minha camarada Sal, este teu post, obrigou-me a uma viagem que não estava no programa. Fui lá ao Kaos que um "blogueiro" alimenta no seu jardim e gostei de ver umas coisas e fiquei irritadíssimo com outras. Como já me acontecera com outras "visitas" a que me "obrigaram".
Começo a aperceber-me que há por aí gente de grande qualidade gráfico-textual... mas completamente cheia de si, tão cheia de si que está próxima do vazio. Embora com muita coisa dentro...
Porquê? Porque, a meu ver estão... tão cheios de si, tão "certos" (iluminados, como diz o "pedras")que toda a excelente qualidade gráfico-textual (até cultural, no sentido burguês) está ao serviço de nada, ou pior!
Desculpa lá. É só um apontamento. Um dia procurarei explicar-me.
Depois, ainda uma nota sobre o delírio diletante de se vir afirmar que há que discutir ideias, ser convivente intelectualmente, e falharem dois pressupostos:
1. Que pode haver (e há) posições inconciliáveis, irredutíveis à partida porque os conceitos em que se baseiam são antagónicos embora não se reconhecerem como tal;
2. Atacarem-se os comunistas por via de um anti-comunismo tão primário que nem sequer se apercebe que está a dar toda a razão aos comunistas, porque esse anti-comunismo existe - assim - por haver classes e luta de classes, que é coisa que os comunistas colocam como uma das suas pedras angulares e quwe "eles " negam que exista, afirmam ultrapassada. E que, pelo seu anti-comunismo, confirmam.
Iria por aí fora.
Desculpa ter-te ocupado tanto espaço mas ameaço voltar...

Antuã disse...

Enfim, a luta continua. as classes existem e as diversas tomadas de posição são a sua prova. não posso, contudo, deixar de manifestar a minha pena a um sacristão, armado em diácono, e que nunca chegará a Sacerdote.

poesianopopular disse...

Sal
Meteste-te com o vespeiro, camarada!
Depois falamos!
abraço
José Manangão

Maria disse...

Já percebi que não se pode sair daqui....
Vai uma pessoa ali ao Norte uns dias e perde uma montanha de textos e comentários...
Mas não me vou deitar sem antes ler tudo o que se escreveu sobre o teu post....

Beijinho, Sal